terça-feira, agosto 17

Podia deixar-te ir de costas voltadas para mim

Os nossos olhos trocaram palavras más. Parecia haver uma guerra eminente às portas de cada coração. Desviava o olhar, não com medo, mas para não ter de te ver a ser má para mim. Quis acabar com o mau ambiente fazendo um gesto pequeno que até resultou um bocado. Mas, nada me preparou para o que vinha a seguir. Fui arrumar a bicicleta na tua garagem. E tu, casmurra, viras-me as costas. O meu coração nesse momento só se lembrou de chorar. De gritar bem alto dentro de mim, o quanto podia mudar. O quanto podia deixar-te ir de costas voltadas para mim, depois de uma longa discussão. Antes de te voltares completamente fiz um gesto. Pego-te no braço e puxo-te contra mim. Nesse momento só podia fazer o que me vinha à cabeça. E essa coisa era beijar-te na tentativa de te pedir desculpa. Na tentativa de te mostrar que é de ti de quem eu gosto. Que, o meu coração andou cego durante muito tempo. O tempo, esse passou a sentir-se devagar neste dia. Parece que à muito este estava à espera de um momento assim. Agarrei em ti e puxei-te para mim com calma e borboletas na barriga, beijei-te. Soltei os braços e envolvi-te no meu peito. Começaste a chorar. Fui mau para ti. Desculpa.


És o meu céu. Felicidade. Tristeza. Lágrimas. Céu. Estrelas. E mais céu.

4 comentários:

  1. Epah á muito tempo que nao lia um post teu(as historias nao contam loool) e sinceramente...AMEI parabens!

    ResponderEliminar
  2. Muito bom, há momentos em minha vida que gostaria de fazer isso com a pessoa que amo, mas acho que estamos muito ligados para vivermos fantasias como essas.
    Abraços
    Walter

    ResponderEliminar
  3. às vezes mais vale nao pensar e deixar que os gestos façam o que o pensamento n pode..adorei :) (desculpa a intrusao) ***

    ResponderEliminar