segunda-feira, outubro 12

Abrigo dos suspiros.


É do sangue que vem a alma. É magia que crio, que faço por instinto. As palavras que uso, são o único ajudante que me resta. Tornam este numero tão especial. É um dia que recrio, que invento e faço com que coisas que não me aconteceram sejam aplaudidas. Muitas delas, imaginação minha, criando textos maravilhosos, metade dos que me é verdade, é de uma pureza transmissível que faz os olhos mais sensíveis lacrimejar.

Para sempre, irão os teus olhos cantar as melodias criadas pelas palavras que se encostam a mim, em tentativa de me encorajar a ser melhor, no mundo onde o melhor é aquele que consegue criar e viver mais nos seus textos, do que aquele que se deixa ir ao sabor daquilo que não sente verdadeiramente.

Estou sozinho e só as palavras me dão o que preciso. Calma, amor e compaixão. Eu dou-lhes amor, e elas em troca fazem-me a mim e a outros quantos ficarem deliciados com o que de dentro de mim sai. Parecer real. É sentido. É tudo o que não consigo ver e tocar com as mãos. Ponho a pensar que estarei sozinho, ate que me engano e acordo dos sonhos maus que tenho de noite, e estas palavras me segredam coisas aos ouvidos. São a minha confiança, a minha personalidade, a minha vida parada que eu decidi ter em mim. Nunca mais irei virar a minha cabeça e esquecer o que acontece. Não vou precisar de remorsos para dizer o que penso, muito menos o que senti.
A energia é tua.

Tens de gostar de viver. Ignorar as coisas más e aplaudir as coisas boas.
Podes partir-me as mãos, mas lembra-te de que posso voar sem elas.

Criei a minha auto-confiança, com base na minha capacidade intelectual e na minha personalidade delicada e tão frágil como qualquer uma. Persigo sonhos que ontem deixei no chão, ou na gaveta do meu quarto, à mercê da morte. A inveja consome-me, até que o próprio mundo não chegue. Perdoa-me no dia em que apagar o meu nome. Pois será a memória de um eu que irei querer esquecer.

Está lindo sim! É o abrigo dos meus próprios suspiros.

Agora que o li... Não fui eu que escrevi isto. Não pude, não aconteceu. Como tive capacidade para escrever isto? Soa tão bem, que até me arrepia de tão profundo que é e que me deixa com umas quantas lágrimas, desejando reler e soltar gritos de contemplação.  Nem sei o que fazer. :'$

23 comentários:

  1. Hoje revejo aqui uma reflexão tua sobre ti... Não julgo ninguém pelas suas palavras nem pelo seu dão de oratória. Apenas aprecio as suas acções e o que de bom me trouxeram. :)

    "no mundo onde o melhor é aquele que consegue criar e viver mais nos seus textos, do que aquele que se deixa ir ao sabor daquilo que não sente verdadeiramente." 80

    passagem espantosa... Deu gosto ler-te. Quando pensei que nada mais poderia esperar de ti, surpreendeste-me. Não que a minha opinião te importe pra alguma coisa, mas acho que realmente deves ter orgulho na pericía das tuas palavras que formam belos enredos...

    =)

    ResponderEliminar
  2. 'Estou sozinho e só as palavras me dão o que preciso. Calma, amor e compaixão. Eu dou-lhes amor, e elas em troca fazem-me a mim e a outros quantos ficarem deliciados com o que de dentro de mim sai.'

    verdadeiramente deliciados, ate porque as tuas palavras sao como os gelados quando começamos nao paramos ate acabar, é viciante. Quando ca se entra, já nao se sai. loool

    ResponderEliminar
  3. Vês, eu disse-te, quanto mais leres os teus próprios textos, vais ver que são maravilhosos . Gostei :$

    ResponderEliminar
  4. "Criei a minha auto-confiança, com base na minha capacidade intelectual e na minha personalidade delicada e tão frágil como qualquer uma. Persigo sonhos que ontem deixei no chão, ou na gaveta do meu quarto, à mercê da morte. A inveja consome-me, até que o próprio mundo não chegue. Perdoa-me no dia em que apagar o meu nome. Pois será a memória de um eu que irei querer esquecer."

    chora chora, que está mesmo bom *__*

    ResponderEliminar
  5. ó :') adorei tantooooo. nem imaginas porra <3

    ResponderEliminar
  6. Chorei a ler isto Pedro!
    (Espero que não querido, nuncaa*)

    ResponderEliminar
  7. Olha, és como eu 8D
    Deixa essa personagem sair mais vezes então x) Ohh, isso é o menino a ser simpático, como é para as meninas de aveiro (a)

    ResponderEliminar
  8. Ainda bem que importa :) Não me dou ao trabalho de escrever estes comentários de km pra nada ;)

    Gosto muito de pessoas imprevisíveis... Estás a subir na minha consideração. E olha que não e' fácil agradar a Ritinha XD

    ^^

    ResponderEliminar
  9. Caro Pedro,

    quero agradecer a forma suave com que me chamou atenção em relação à minha má escrita. Não precisava mas mesmo assim fica o meu obrigada. Sou educada e tal.

    ResponderEliminar
  10. Uma pessoa assim fica confusa. Ora escrevo mal, ora escrevo bem. Eu cá acho que preciso de aprender muito muito, um dia chego lá. Se o Saramago chegou, eu também consigo.

    ResponderEliminar
  11. Pergunto antes o porque de não escolher ir em vez de ficar?


    quanto ao teu blog se continuares a fazer por escrever textos assim da mesma forma nao saimos de certeza mais nao seja ficamos mais vontade de escrever...x)

    ResponderEliminar
  12. esse teu talento natural que deixa muitos sem palavras.

    ResponderEliminar
  13. Pois, acho que tudo depende da forma como as coisas acabam... Se as pessoas forem sinceras e adultas e estiverem empenhadas numa amizade, tudo é possível :)

    Só que em contra partida, por vezes não te lembras daqueles momentos mais "íntimos"? Estando ou não com ela? Até podes nem sentir nada, mas acho que uns flash's, conversas, palavras e gestos ficam sempre um bocado camuflados... Estão lá mas não estão.

    ResponderEliminar
  14. Já não me sinto uma anormal... Por muito que o seja, hoje tenho menos um motivo.
    Digo isto porque tenho um péssimo hábito de ser radical. Quando acaba, acaba e sei que isso é o melhor pra mim e pra ele. Lembro-me das coisas que passamos juntos, faz parte, mas não as sinto. Não as recordo com emoções sequer... E' como se aquela pessoa tivesse de novo "uma ficha limpa" e agora a preenchesse ou não de novo (consoante as coisas corressem...).

    Não foi bem bem isto que dizeste, mas percebi que realmente sabias o que querias e agora é viver com isso. Não poderia ser doutra forma... Não é ser insensível, é ser verdadeiro connosco próprios.

    p.s. desculpa a intromissão no assunto :X não tinha nada a ver com isso...

    ResponderEliminar
  15. Bolas Pedro tu escreves mesmo muito bem, não acredito que em ti possa ainda existir alguma duvida em relação a isso. Este em particular está breath taking.

    Um beijo

    A.Menina

    ResponderEliminar
  16. como algo assim te pode preencher, e ao mesmo tempo te sentes tão vazio.
    e depois de tudo que se passou, continuo sem perceber. o teu amor 'próprio' cega-te tanto e deixa-te por vezes brilhar como se fosses um pirilampo. parece que estás sempre a querer chegar à tona do oceano que te engole, foi isso que nunca percebi.
    e agora talvez é tarde demais para tal

    beijufas

    ResponderEliminar
  17. Sim sim claro, continua com esse pensamento que sempre tiveste. Nunca ninguém gostou de ti, e tu nunca gostaste de ninguém. Sabes bem que isso não é verdade, mas continua a tapar os olhos. Talvez é mesmo isso que sempre fizeste de bom. Faz como quiseres, afinal foi sempre isso que te cercou.
    E tu sabes bem que poderias durante muitos momentos, teres optado por uma opção diferente, tu é que desperdiçaste-as devido a estes teus próprios pensamentos, mas tudo bem.

    ResponderEliminar
  18. do sange vem a alma!
    adorei adorei!
    sinto'me bem quando venho ao teu blog :$

    ResponderEliminar
  19. 12º ano, um montão de emoções a emergir ,a fazer misturas bombásticas e ainda além disso uma disciplina assustadora mas entusiasmante, Área de Projecto ;)

    E assim sendo, venho cá divulgar o blog do projecto do meu grupo:

    http://ocerebroprojecto.blogspot.com

    deêm uma espreitadinha!
    espero que gostem, e sigam que prometo não desiludir! :)
    obrigadaaa*

    beijinhos*

    ResponderEliminar