terça-feira, julho 13

Teria saudades de lhe tocar


Um dia, desejei amar. Amar sem o medo de que caíssem lágrimas quando olhasse para trás, sendo confrontado com o que fiz. Desejei amar alguém até que o coração parasse de bater, até que o coração me pesasse no peito, me ferisse o gosto de amar alguém. Ansiava que as mãos tremessem cada vez que lhe desse um beijo nos seus lábios. Teria saudades de lhe tocar no corpo cada vez que esta se afastava de mim. Daria a mão quando lhe quisesse dizer tudo o que o meu coração sentisse por ela. Agarrar-lhe na cintura, talvez, pegando-a ao colo como fazem os príncipes e os papás que protegem quem amam. Sonhei tanto, desejei tanto, até que o dia veio e apenas aos poucos faço o que um dia pensei realizar. Necessito de ajuda. Preciso de que a chama que ilumina o meu coração, se ponha de lado e deixe de guiar o meu coração nas noites de palidez, nas noites em que os calafrios são intensos e as saudades que me sufocam mesmo que não lhe ligue, me deixe apenas um coração preto de tanto fumo e amor que já queimou por minha causa.

O amor é uma palavra das sensações invisíveis tal e qual como o ar nos é nos pulmões. Não o vemos, mas precisamos constantemente dele.

4 comentários:

  1. Tens um autocolante à tua espera no meu blog :) *

    ResponderEliminar
  2. amor é algo que é sempre preciso, é algo necessário para que se possa viver.
    gosto dos teus textos (:

    ResponderEliminar
  3. "O amor é uma palavra das sensações invisíveis tal e qual como o ar nos é nos pulmões. Não o vemos, mas precisamos constantemente dele."

    está é sem duvida uma boa comparação, adorei :)

    ResponderEliminar